Desvendando o SPED

Criado em 2007 para tentar diminuir a burocracia da gestão fiscal e contábil das empresas, o SPED (Sistema Público de Escrituração Digital) compila todos os dados das obrigações acessórias geradas pela organização e que devem ser enviados para as administrações tributárias e os órgãos fiscalizadores. 

Através desse sistema digital, é possível, por exemplo, uniformizar as informações prestadas às diversas unidades federadas, ter acesso mais rápido e melhorar a qualidade dos dados, aumentar a agilidade de transmissão das obrigatoriedades e reduzir custos e tempo gastos nessas tarefas. 

Mas muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre o que fazer diante do SPED. Por isso, esse é um guia rápido para que você o desvende e melhore a gestão da sua empresa! 

SPED fiscal x SPED contábil 

Apesar de ser um projeto para unificar entregas burocráticas das empresas, o SPED é dividido em módulos que devem ser transmitidos de acordo com o setor em que a companhia atua. Os mais utilizados por todos os tipos de negócios são o fiscal e o contábil.  

O SPED Fiscal também é conhecido como Escrituração Fiscal Digital (EFD). Ele deve ser usado pelas organizações que precisam transmitir dados referentes à apuração de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados). 

É através do SPED Fiscal que esses dados são enviados de maneira mais ágil e padronizada para a Receita Federal e as Sefaz (Secretarias da Fazenda estaduais), substituindo os livros de Entradas e Saídas físicos, usados anteriormente. 

Já o SPED Contábil – ou Escrituração Contábil Digital (ECD) – é usado em substituição do envio dos livros e balancete diários, do Balanço Patrimonial e de demonstrativos essenciais, como o de resultados às Juntas Comerciais. 

Todas as empresas com tributação sobre lucro real ou presumido devem fazer a transmissão da Escrituração Contábil Digital, exceto as optantes pelo Simples Nacional.  

Módulos 

O SPED também é composto por outros módulos de acordo com as obrigações acessórias que devem ser cumpridas por cada setor ou departamento de empresa.   

  • SPED Financeiro ou ECF (Escrituração Contábil Fiscal Digital); 
  • SPED PIS COFINS ou EFD Contribuições (Documentos Fiscais Eletrônicos); 
  • EFD-Reinf 
  • E-Financeira; 
  • E-Social; 
  • Central de Balanços. 
  • Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e) 
  • Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica (NFC-e); 
  • Nota Fiscal Eletrônica (NF-e); 
  • Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e). 

Por que automatizar a entrega do SPED? 

Apesar de ter sido idealizado para diminuir a burocracia e a papelada que ela envolvia, o SPED pode ser bastante desafiador se o controle das obrigações for um processo manual ou o armazenamento da documentação não estiver centralizado em um único lugar. 

Por isso, o ideal é que, integrado ao SAP Business One, esteja um módulo fiscal como o TaxPlus. Com ele, além de concentrar as informações de maneira acessível a todas as pessoas envolvidas nesse processo, ele também realiza o cálculo antecipado das obrigações a serem devidas ou os créditos, padroniza layouts. 

Ao integrar o TaxPlus ao SAP, é possível aumentar a segurança, a performance no gerenciamento fiscal e automação dos processos, permitindo análises mais precisas dos indicadores fiscais e maior controle no atendimento das obrigações acessórias. 

Caso precise de uma ajuda com o SPED, pode contar conosco, afinal, nós geramos valor muito além dos números! 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *